A segurança da informação e os impactos da transformação digital

Tempo de leitura: 6 minutos

Entender os impactos da transformação digital na segurança da informação é fundamental para adotar medidas de proteção para os dados da empresa.

A segurança da informação trata da proteção dos dados físicos e digitais de pessoas ou empresas. Porém, o termo tem uma relação mais próxima com a tecnologia e os sistemas eletrônicos, especialmente diante da transformação digital.

O uso de soluções tecnológicas é fundamental para quem busca vantagem competitiva ao proporcionar benefícios como a automatização de tarefas, otimização de processos, redução de custos e aumento da produtividade. Mas não podemos esquecer que isso traz impactos e desafios para a segurança dos dados,exigindo a adoção de algumas medidas para se adequar.

Neste conteúdo, vamos esclarecer a importância da segurança da informação, os impactos da transformação digital nesse conceito e como a sua empresa pode se adaptar a esse cenário. Confira!

Qual é a importância da segurança da informação?

Uma análise rápida das relações humanas e comerciais permite constatar facilmente que o mundo é cada vez mais digital e menos físico. As interações sociais acontecem por meio de aplicativos, reuniões nas empresas são feitas por videoconferência, entrevistas e treinamentos são feitos online, os documentos são assinados digitalmente e, muitas vezes, nem sequer contam com uma cópia física. 

Esses são apenas alguns exemplos do papel da tecnologia no dia a dia das pessoas, que mantêm um crescimento contínuo. Ao mesmo tempo, essa transformação digital aumenta o volume de dados dos usuários e empresas registradas em sistemas ou aplicativos. 

Tudo isso traz facilidades para a rotina, mas é preciso atenção. O ponto de preocupação é que podem acontecer ataques digitais, problemas na tecnologia escolhida ou, até mesmo, falhas humanas que resultem em brechas no sistema, resultando na perda de dados ou no acesso por terceiros não autorizados.

Papel da segurança da informação na empresa

Tudo o que foi descrito faz com que a segurança da informação englobe as medidas de proteção para evitar vulnerabilidade e vazamento desses dados. Diante de vulnerabilidades no sistema, as informações confidenciais do negócio podem ser utilizadas por terceiros mal intencionados, roubando segredos empresariais e utilizando-os de forma indevida.

Também não podemos ignorar que, se a prática afetar os dados de usuários, isso prejudica a imagem da empresa na sociedade. A consequência é a perda de confiança do mercado, que impactará diretamente os resultados do negócio e, ainda, pode gerar o risco de ser alvo de ações judiciais, com o pagamento de multas e indenizações.

Por fim, se considerarmos que o andamento do negócio depende do acesso aos dados, é fácil entender que problemas nos sistemas e hardwares utilizados trazem grandes desafios se a empresa não contar com medidas para recuperação das informações, como o backup.

São vários fatores que impactam as rotinas do negócio e trazem desafios que devem ser superados para manter a proteção de dados e reduzir a exposição aos riscos existentes.

Princípios da segurança da informação

Devido à importância da segurança da informação, ela deve seguir alguns princípios básicos para atender a todos os seus objetivos. São eles:

  • confidencialidade: pessoas e dispositivos não autorizados não devem conseguir acesso aos dados;
  • confiabilidade: garante a credibilidade das informações disponibilizadas ao usuário;
  • integridade: os dados não podem ser alterados sem a devida autorização ou sem a identificação de quem modificou o registro;
  • disponibilidade: as informações devem estar disponíveis para serem acessadas pelas pessoas e entidades autorizadas;
  • autenticidade: é preciso adotar meios para validação do acesso, como senhas, logins, CAPTCHAS, etc.

Quais os impactos e desafios da transformação digital?

Na mesma medida em que a transformação digital traz benefícios, ela também traz alguns desafios e riscos que devem ser superados. 

Existem diversas situações que exigem um compartilhamento maior de dados, como o trabalho remoto, que exige a disponibilização de dados para os colaboradores em diversos locais, e o crescimento dos pagamentos móveis, que usam sistemas para validar dados e autorizar transações bancárias.

O uso crescente da internet como meio de comunicação e compartilhamento de dados é outro fator importante. São nesses cenários que muitos impactos em relação à segurança da informação se tornam mais evidentes. Saiba mais a seguir.

Regulamentação legal

A relevância do assunto é tanta que, diante do cenário de transformação digital e necessidade de proteção de dados, a segurança da informação foi alvo de regulamentação jurídica. Na União Europeia, a General Data Protection Regulation (GDPR) deve ser seguida por todas as empresas que atendam usuários da região, então pode afetar empresas brasileiras.

Por outro lado, o Brasil também desenvolveu uma norma sobre o assunto: a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD). Ambas trazem requisitos que devem ser observados para manter a proteção dos dados dos usuários, garantindo direitos aos titulares e penalidades para as empresas que descumprirem a legislação.

Funcionamento da LGPD

A data de entrada em vigor ficou incerta devido à pandemia de COVID-19. Isso deveria acontecer em agosto de 2020, mas com os impactos trazidos pelo coronavírus, o Governo editou a Medida Provisória n.º 959 que definiu um novo prazo: dia 24 de maio de 2021.

Até lá, as empresas precisam investir em medidas para se adequar às regras sobre tratamento de dados. Agora, a coleta e o tratamento dos dados pessoais só podem acontecer mediante autorização prévia do titular ou seu responsável.

Como o consentimento deve acontecer de forma clara, inequívoca e específica, os usuários devem ser informados sobre as finalidades de uso dos dados e receber comunicados diante de qualquer vazamento ou risco. A legislação prevê penalidades que vão desde multa até a proibição de exercer atividades relacionadas ao tratamento de dados pela empresa.

Exposição a riscos

Novas tecnologias trazem inovação, mas também geram novos riscos. Assim, a transformação digital exige maior atenção e medidas de segurança para a proteção dos dados armazenados pela empresa contra diversas ameaças, por exemplo:

  • clonagem e roubo de dados bancários;
  • espionagem industrial;
  • ransomware;
  • phishing;
  • ataques DDoS;
  • manipulação de dados.

Além dos prejuízos diretos causados quando um dos riscos se concretiza, também existem danos colaterais, como já dissemos anteriormente. Os que trazem maior preocupação são o enfraquecimento da marca diante das notícias sobre a vulnerabilidade dos dados e as ações judiciais movidas por clientes que foram lesados.

Inovação constante

A transformação digital traz um cenário de inovação constante que acarreta impactos diretos na segurança dos dados.  Na era da Internet das Coisas (IoT), todos os anos surgem novas tecnologias, como aplicativos e processos que podem ser aplicados nas empresas e, consequentemente, novos riscos.

Isso faz com que as medidas de segurança de dados precisem passar por alterações constantes para acompanhar as inovações e proporcionar a proteção das informações. Sem dúvidas, esse é um grande impacto e traz desafios importantes para o setor.

Como manter a segurança da informação nesse cenário?

Diante dos impactos da transformação digital, é fundamental saber como manter a segurança da informação na empresa a fim de atender à legislação e reduzir os riscos. É aqui que surgem muitas dúvidas: afinal, como colocar isso em prática? Veja algumas dicas:

  • use softwares seguros e atualizados: sempre verifique se o desenvolvedor segue as diretrizes das leis de proteção de dados e as medidas de segurança adotadas;
  • crie políticas de segurança: tenha regras claras sobre as práticas de proteção que deverão ser observadas pelos colaboradores e demais usuários;
  • tenha um bom controle de acesso: invista em ferramentas de controle de acesso que aumentem a segurança ao validar a identidade do usuário;
  • treine os colaboradores: ofereça treinamentos para que eles entendam os riscos existentes e como fazer o uso correto dos sistemas utilizados;
  • invista na criptografia: a criptografia dos dados é uma proteção adicional, que codifica as informações para que terceiros não consigam interpretar os dados;
  • tenha backups: invista em ferramentas de backup para garantir a recuperação de dados de forma eficiente, sempre escolhendo os meios criptografados e com tecnologias que protejam as informações contra o acesso de terceiros.

Aqui, o reconhecimento facial se torna uma solução interessante. Diferentemente da biometria atrelada à impressão digital, ela libera o acesso do usuário ao sistema ou aos dados solicitados após detectar se as características faciais da pessoa correspondem ao registro — são mais de mil pontos avaliados antes de liberar o acesso.

Para complementar, o sistema tem ferramentas para garantir que se trata de um organismo vivo, prevenindo o uso de fotografias, vídeos e outros artifícios que poderiam ser empregados com a intenção de burlar esse sistema.

Além disso, ele não exige contato das partes com documentos ou com equipamentos específicos, trazendo ainda mais segurança ao optar por uma tecnologia contactless (sem contato). Diante de um cenário em que as pessoas buscam proteção e a redução das interações físicas, a solução é bastante promissora.

Como vimos, a transformação digital traz grandes impactos na segurança da informação, exigindo atenção constante da empresa para implementar as melhores práticas de proteção. Para ajudar, conte sempre com sistemas e equipamentos de qualidade, além de parcerias especializadas.

Quer acompanhar outras dicas como essas? Então assine a nossa newsletter e receba por e-mail as novidades do nosso blog!

Deixe o seu comentário abaixoFechar comentários

Deixe uma resposta